quarta-feira, 22 de setembro de 2010

um dia ele vai descobrir...

Olha, te contar. Meu GAYDAR nunca falhor nessa vida.

Nos idos tempo de 19** eu tinha uma amiga malévola que costumava por apelidos em qq pessoa do mundo. Incluindo ela mesma, a mãe, e todos os conhecidos. Inclusive o velhinho da padaria e o segurança da buátchi. Sim, era Louca. Não vem ao caso...

A Louca compartilhava da minha capacidade alucinada de reconhecer um potencial homo apuradíssimo.

A gente sempre falava, AH FULANO É BEE. ALIÁS, É TREESHA! Neguinho desconfiava e discordava. A gente é que era cheia de preconceito. AHAN CLÁUDIA, SENTA LÁ!! Nunca erramos uma!

Na minha escola tinha um garoto muito simpático, educado, e até meio bonitinho. Não tenho certeza, pq era tão BICHONA q eu não conseguia ver com esses olhos. Mas enfim. Esse a gente falava que era bee desde o ventre. Mas, estranhamente, ele não sabia do caso. Digo, ELE NÃO FAZIA IDEIA QUE ERA UMA BEE ENSANDECIDA! Na maioria dos casos a gente percebia mesmo q a pessoa tentasse disfarçar. Com ele, coitado! Não fazia ideia mesmo... triste o negócio!

Uma coisa que a Louca sempre dizia é que um belo dia ele estaria se olhando no espelho e gritaria AI MEU DEUS, UMA BICHA. AI CARALHO, SOU EU!!!

Lembro disso toda vez que vejo no Orkut as fotos do Rapaz em questão. Todas sem camisa, rodeado de MILHÕES de machos e em raves na praia.... Sempre quis saber se o choque na descoberta tinha sido muito duro, sabe?

3 comentários:

•SunSamadhi• disse...

hahahah gostei, sei bem quem é a amiga malévola, que eu chamava de pintinho.

Patricia disse...

Psiu q assim fica feio. Mas assim, eu gosto muito dela. Só não é lá muito normal! Rs
E quem é normal, né??

Nana disse...

Hahahahahaha! Adorei!

Postar um comentário