terça-feira, 5 de julho de 2011

Te amo calada...

Hoje tive uma DAQUELAS sessões na psicanálise.
Daquelas que te fazem pensa muito.

Eu ando cansada se ficar frustrada com tudo q não posso controlar. Bom esse é o resumo da ópera, claro.

A história começa com a incapacidade que tenho de viver um dia de cada vez.
Gasto 99% do meu tempo relembrando o passado e pensando no futuro.

Daí me pergunto pq diabos não consigo criar vínculos que durem. Notem bem: que durem de verdade. Pois cada amor que senti nessa vida continua vivo em mim...


Outro dia fui num evento que tinha várias pessoas que eu conhecia da época de ouro (vulgo adolescência).
Fui tensa, óbvio. Apavorada do povo me ver tão obesa e acabada. E com aquela dúvida eterna de saber SE alguém lembra de mim.
Fui querendo encontrar uma amiga. Não uma amiga qualquer. Uma daquelas que verdadeiramente moram no meu coração mas que, coisas da vida, não vejo há anos.
Fui sabendo que eu não representava nada na história de vida Dela.
Fui consciente de que as pessoas precisam construir suas relações paulativamente.
Fui na esperança louca, desesperada, de me sentir querida. Amada.

Claro que o fim da história é que ela nem CHUIM pra mim. Paciência.

Esse é o problema de vc ser uma pessoa difícil e viver com medo de se expressar. NOBODY CARES!

Enfim, tenho que aprender a demonstrar meu amor. SEM o medo de ser rejeitada.

Se isso não é uma puta lição, eu não sei o que é.